Universidade de Vigo
IDIOMA 
PTESGL
Jose Saramago
 

Blog

XX COLÓQUIO DE OUTONO 2018

«Paz às cabanas! Guerra aos palácios!», este célebre lema d’O Mensageiro de Hesse (1834), um dos primeiros panfletos pré-comunistas (Büchner / Weidig) que exorta os camponeses à revolta, inspirou Marc Chagall, em 1918, portanto há cem anos, para a criação de um mural num edifício público. Este mural, tal como inúmeros outros, fazem parte da expressão artística ligada à Revolução de Outubro – uma arte interventiva, comprometida com a ação coletiva. Este exemplo ilustra dois aspetos centrais da temática global do XXº Colóquio de Outono do da Universidade do Minho:

(1) a paz e a liberdade são conceitos utilizados ao serviço de visões e no seio de discursos que se levantam, por um lado, contra estruturas de poder estabelecidas e, por outro, também contra os movimentos que ameaçam a ordem antiga – basta pensar no movimento anticomunista Paix et Liberté que inundou a França dos anos 50 com cartazes e panfletos;

(2) a intervenção de artistas plásticos, músicos e escritores em prol da paz e da liberdade corresponde a um conceito de arte que abandona os espaços e os circuitos restritos que lhe são tradicionalmente reservados para intervir na rua, unindo-se à ação, conferindo menor importância à dimensão estética em si ou negando-a até.

A Revolução de Outubro está intimamente interligada com o sucessivo fim da Grande Guerra, por inspirar movimentos pacifistas e revolucionários por toda a Europa que pretendiam libertá-la de estruturas de poder e de exploração consideradas responsáveis pela escalada de violência e de horrores nunca antes vistos. A data de 9 de novembro de 1918 marca o fim do Império Alemão e, ao mesmo tempo, o início do levantamento popular espartaquista que acabará no assassinato de Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht, em 15 de janeiro de 1919, e em lutas fratricidas entre socialistas e comunistas. São figuras icónicas de uma luta pela liberdade que evoca a memória de outro ídolo, Mikhail Bakunin, e os movimentos anarquistas em volta da Liga da Paz e da Liberdade que teve há 150 anos, em setembro de 1868, o seu Congresso em Berna.

A oposição a outra Guerra, a Guerra de Vietnam, contribuiu muito para o famoso Summer of Love, de 1967, que por sua vez, inspirou a onda de movimentos de juventude que ficou na História Contemporânea etiquetada como Maio de 68. Tal como cinco décadas antes, e ainda com uma maior criatividade transmedial, a arte invadiu os espaços públicos levando a uma hibridização destes com o espaço privado e o íntimo, nomeadamente ao nível da revolução sexual, acrescentando aos conceitos de Paz e Liberdade o de Amor. Indissociáveis de tais dinâmicas são também os movimentos contra a discriminação de género e raça que se podiam rever na expressão “I prefer dangerous freedom over peaceful slavery”, como disse Thomas Jefferson, inspirando-se numa velha expressão em latim de autoria desconhecida; outros se lembrarão da frase “Je préfère une liberté dangereuse plutôt qu’un esclavage tranquille” que aparece em Du contrat social ou Principes du droit politique (1762), de Jean Jacques Rousseau. O exemplo ilustra a migração de reflexões sobre os conceitos de paz e liberdade, só à primeira vista em plena sintonia, porém abertos a múltiplas interpretações, dependendo de contextos históricos sempre diferentes mas comparáveis.


Oradores convidados:

  • Wolfram Eilenberger, filósofo e autor do livro Zeit der Zauberer (2018; Time of the Magicians: The Great Decade of Philosophy 1919-1929) [CV], patrocinado pelo Goethe Institut – Portugal e pela Embaixada da República Federal da Alemanha [Abstract] 
    «From 1919 to 1929 - the magical decade after WW I: Heidegger, Wittgenstein, Benjamin, Cassirer»

  • Tomás Albaladejo (profesor catedrático da Universidad Autónoma de Madrid). [CV] 
    «Guerra, paz, libertad: narratividad dialéctica y literariedad»
  • Carlo Salzani, investigador (Vienna). [Abstract] 
    «Walter Benjamin reads Mickey Mouse: Cinema, Technology and the Posthuman»
  • Burghard Baltrusch (Professor Titular da Universidade de Vigo, I Cátedra Internacional José Saramago). [CV] 
    «Guerra e violência de género em O Ano de 1993 de José Saramago e nas ilustrações de Graça Morais»
  • João Nuno Azambuja, autor dos livros Era Uma Vez um Homem e Os Provocadores de Naufrágios. [CV] 
    «Política: ação ou reação? A clarividência de Aristóteles»
  • António Louçã (historian & journalist). [Abstract] 
    «Alemanha 1918 a 1923 – um missing link na História da luta pelo Socialismo»


Comissão Organizadora:

  • Orlando Grossegesse (Universidade do Minho, Portugal)
  • Cristina Flores (Universidade do Minho, Portugal)
  • Micaela Ramon (Universidade do Minho, Portugal)

Mais informações em
http://cehum.ilch.uminho.pt/xxco#info
Publicado, 11/11/2018


Etiquetas

Atividades culturais
Conferências
Burghard Baltrusch
Seminários




Artigos relacionados